sábado, 25 de dezembro de 2010

Um dedo de prosa para o recesso


A minha vizinha é uma senhora marcada pelo tempo. Mora só numa área bem bacana. Um quintal farto.

Divide os dias com cães e aves. Ela fica sob a sombra de uma mangueira.  Ao amanhecer  os animais a rodeiam.Tira prosa com todos eles. Sábia senhora. Bichos ao invés de gente.

A mangueira enfeitada de frutos  divide o quintal com um jambeiro, um pé de pitomba  um pé de pupunha e uma árvore que nunca vi os frutos.  

Noite de natal não vi a magra vizinha que sempre traja vestes simples.

No prédio onde moro o corredor não tinha luz. Todos parecem ter fugido para algum lugar.

A vizinhança é tranqüila. Galos levantam a barra do dia. Depois, uma penca de pássaros que não sei identificar enche a manhã.   

Chove nesses dias. A rua vira um rio quando a tempestade é intensa.  Mas, não carrega o barulho do silêncio.

quarta-feira, 15 de dezembro de 2010

Wikileaks, Dorothy Stang e o FBI

Uma série de telegramas que serão publicados hoje pelo WikiLeaks mostram como a embaixada americana em Brasília acompanhou de perto as investigações sobre a morte da missionária Dorothy Mae Stang, preocupados com a corrupção dos policiais – e como o FBI atuou no caso. Leia mais no blog da Natália Viana

segunda-feira, 13 de dezembro de 2010

Eclusas: grandes, mas não tanto

Lúcio Flávio Pinto
As eclusas de Tucuruí, inauguradas na semana passada, não existiam no projeto original da hidrelétrica, que começou a ser construída em 1975. Só em 1979 a transposição da barragem no rio Tocantins foi incorporada, a contragosto. A tarefa foi transferida da Eletronorte para a Portobrás, uma empresa estatal que viria a ser extinta durante a onda de privatização (na contramaré da estatização, esta levada ao paroxismo pelo general Ernesto Geisel).Leia mais em Adital

Tapajós

Rio Tapajós - Elen Pessoa - 2010

sábado, 11 de dezembro de 2010

Congresso nacional de rádios comunitárias

O Maranhão será representado por 20 delegados no congresso da Associação Brasileira de Radiodifusão Comunitaria (ABRAÇO), que acontece no período de 16 a 19 de dezembro, em Brasília. Leia mais no blog de Ed Wilson

Madeira ilegal: PF prende quadrilha


A ilegalidade nubla a cadeia produtiva da madeira na Amazônia. Isso vem de velha data. Desde o começo do ano a Polícia Federal monitora a ação da Secretaria de Meio Ambiente do Estado e as relações com políticos, mediadores e empresários. Ontem prendeu mais uma leva de técnicos, políticos e ex-secretário e adjunto.   Leia mais na reportagem do Diário do Pará.

sexta-feira, 10 de dezembro de 2010

Militante do movimento negro ganha prêmio da OAB

A militante do movimento negro, Raimunda Nilma Melo Bentes recebe agora pela manhã o PRÊMIO DE DIREITOS HUMANOS JOSÉ CARLOS DIAS DE CASTRO, conferido pela OAB, Pará.Leia mais na OAB

Semana agitada no sudeste do PA

Dois encontros importantes ocorrem em Marabá,  cidade pólo da região sudeste do estado. O primeiro iniciado no dia 09 é sobre agroecologia. O tema ambiental encontra-se na pauta da região de velha.

Uma das perspectivas reside com relação aos impactos ambientais e sociais compartilhados pela população local. O campesinato se territorializou na região, controla cerca de 52% do território. Um dos desdobramentos tem sido a conquista de uma série de políticas para a categoria que se afirma política, social e economicamente.

A educação tem avançado com um cipoal de elementos significativos, como a criação de cursos de nível superior direcionados para pessoas assentadas pelas políticas de reforma de agrária. Tem ainda escola de nível e a  criação de curso de pós graduação.

Já os movimentos estão mobilizados para analisar e definir estratégias de ação contra a pressão do capital que avança na região a partir dos grandes projetos. O Araguaia-Tocantins configura um dos eixos de integração da política do governo federal.

Para a região estão agendadas uma infinidade de hidrelétricas, uma aciaria em Marabá, ampliação da ferrovia de Carajás, hidrovia e portos.

Isso significa pressão sobre territórios já estabelecidos, entre eles áreas de preservação, terras indígenas e projetos de assentamentos de trabalhadores rurais. 

O lamentável é a manutenção de execução de trabalhadores rurais, como denuncia a CPT de Xinguara. E ao se analisar o cenário, tudo indica que teremos muitas situações de conflitos. Ainda  maiis com o PSDB no poder. O partido foi o responsável pelo Massacre de Eldorado e tem vínculos com o setor agropecuário.  

Escravizados derrubavam mata em fronteira agropecuária

Grupo de 11 que desmatava Floresta Amazônica estava “ilhado”. Vítimas dormiam em barracos de lona, sem alimentação adequada e em situação precária. Operação foi conduzida pelo Ministério Público do Trabalho (MPT)
 Bárbara Vidal
Operação coordenada pelo Ministério Público do Trabalho (MPT) encontrou 11 trabalhadores "ilhados" e escravizados no meio da Floresta Amazônica. Aliciados em Porto Velho (RO), eles estavam mais precisamente em Lábrea (AM) - município amazonense, na divisa com Acre e Rondônia, que vem apresentando altos índices de desmatamento nos últimos anos.Deu no Repórter Brasil

Minas e Energia : colocaram o lobo para cuidar do galinheiro



O dono da empreiteira tal vai presidir o ministério de infra-estrutura ou o dono do jornal tal e advogado vai dirigir o conselho de liberdade de expressão da OAB. Interesses em jogo ajudam a traduzir o dito popular.

Dilma assentou Lobão (PMDB/MA) no Ministério de Minas e Energia. Os chefões das empreiteiras estão em regozijo. O parlamentar maranhense é um fervoroso defensor da construção de grandes hidrelétricas.      

No processo de licenciamento da hidrelétrica de Estreito, oeste do Maranhão no início da década os veículos de comunicação do reempossado ministro faziam coro pro empreendimento.

Grandes empresas integram o consórcio que ergue a barragem na fronteira do Maranhão com o Tocantins, Camargo Corrêa (4.44%), ALCOA (25.49%), Vale (30%) e a belga Suez-Tractebel (40.07%).

Por não cumprir uma série de medidas no processo de reassentamento das populações afetadas, o Ministério Público Federal do Tocantins recomendou processo contra o consórcio e o IBAMA.  E a não liberação da licença de operação.

Lobão é cria da costela do Sarney. Desde o regime de exceção é um ativista dos interesses das elites maranhense e nacional. O filho, também político, responde a processo por dano ao erário público.  Nice, a esposa é deputada federal.

  

Wikileaks, Natália Viana é a única jornalista brasileira a escrever no site


O site wikileaks tem sido o centro de gravidade no cenário de comunicação no mundo. A iniciativa tem dado visibilidade a documentos secretos dos EUA. A ação do site provocou indignação na diplomacia internacional e a represália de alguns chefes de estado e apoio de outros.

Assange, um ativista do site foi preso.  O mesmo é acusado de estupro. O caso lembra o filme O Informante, de 1999. A delicada situação de relações de poder, o debate sobre a ética e a profissão de jornalista na definição do que iria ou não ao ar numa grande emissora de TV.

Os personagens de Al Pacino (Lowell Bergman) e de Russel Crowe (Lowell Bergman) protagonizam o enredo que envolve interesses de uma grande corporação do setor de tabaco, saúde pública, política e mídia.   


Natália Viana, jornalista brasileira mantém um blog na Carta Capital dedicado a acompanhar o desenrolar dos fatos sobre o wikileaks e os documentos que pautam o Brasil. Uma ação internacional de solidariedade e ciberativismo é o elemento mais recente em torno da questão.   

A cauda longa (internet) colocou uma série de coisas  (capital, trabalho, nação, estado, amor, ativismo, formas de relacionamento e solidariedade) de ponta cabeça. A comunicação é uma delas. E o wikileaks configura um componente recente. 

quinta-feira, 9 de dezembro de 2010

Informações fundiárias serão integradas à base de dados geoespaciais

O Terra Legal Amazônia realiza nesta quinta-feira (9) o Workshop Sistema de Informações Geográficas da Amazônia (SIG Amazônia).  O sistema, que foi desenvolvido em parceria com o Sistema de Proteção da Amazônia (Sipam), vai integrar informações fundiárias inéditas sobre terras públicas federais geradas pelo Terra Legal a demais bases de dados geoespaciais (Unidades de Conservação, Projetos de Assentamento, Reservas Indígenas, etc) e a dados do desmatamento divulgados pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe).O Workshop SIG Amazônia faz parte da programação da Semana da Agricultura Familiar, organizada pelo Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA). Leia mais AQUI

Analfabetismo cresce em três Estados da Amazônia Legal


Apesar de o número absoluto de analfabetos brasileiros com 15 anos ou mais ter caído 7% entre os anos de 2004 e 2009 no Brasil, o analfabetismo aumentou em três Estados da Amazônia Legal: Mato Grosso, Rondônia e Acre.  É o que constatou um estudo feito pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) divulgado nesta quinta-feira (9).Leia mais no Amazônia

Regras são fundamentais para a ampliação da matriz energética nacional, entrevista com Washington Novaes

Para o jornalista e ambientalista Washington Novaes, “está faltando uma discussão mais aprofundada e clara com a sociedade sobre a situação real da crise na matriz energética”. Antes de pensar em aumentar as fontes de energia, Novaes ressalta que é importante discutir sobre a potência instalada, a oferta disponível e a demanda real.Leia mais no Ecodebate

Greenpeace entrega prêmio Motosserra de Ouro à senadora ruralista Kátia Abreu

Uma das orquestradoras do enfraquecimento do Código Florestal, a senadora ruralista Kátia Abreu (DEM-TO) acaba de ser surpreendida em Cancún por ativistas do Greenpeace e de movimentos indigenistas, que entregaram à fiel defensora das propostas de mudanças da lei ambiental o troféu Motosserra de Ouro.Leia mais em IHU

quarta-feira, 8 de dezembro de 2010

''Pedro Casaldáliga é um profeta. É mais incômodo do que Madre Teresa''

Eduardo Lallana, psicoterapeuta, é o responsável da ONG Tierra Sin Males. É amigo e companheiro de lutas de um excelente bispo e grande pessoa, a quem todos admiramos: Dom Pedro Casaldáliga, que é candidato – e favorito – ao prêmio "Bartolomé de las Casas".Leia mais AQUI

A Pan-Amazônia debate os megaprojetos. Entrevista especial com Valéria Ferreira e Arno Longo

Levar para conhecimento internacional os problemas vividos pela população amazônica foi a grande intenção do V Fórum Pan-Amazônico, realizado no final de novembro deste ano em Santarém, no Pará. A IHU On-Line entrevistou por telefone dois coordenadores do fórum: Valéria Ferreira, do Grupo de Defesa da Amazônia; e Arno Longo, padre e líder do Fórum dos movimentos Sociais da BR163. Leia mais no IHU

Belo Monte no ENEM: o errado vira certo


Rodolfo Salm   

Leciono na faculdade de Ciências Biológicas da Universidade Federal do Pará, em Altamira, no Xingu, onde se pretende construir a hidrelétrica de Belo Monte. Apesar de os meus futuros alunos estarem sendo selecionados pelo Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM), eu vinha acompanhando apenas por alto os vários problemas das provas.Leia mais no Correio da Cidadania

MPF quer ação preventiva para problemas que Belo Monte pode causar

Procurador da República no Pará, Ubiratan Cazetta participou de audiência da Comissão do Senado que acompanha o projeto.
O Ministério Público Federal participou de audiência da subcomissão do Senado que acompanha o projeto da usina hidrelétrica de Belo Monte, que o governo pretende implantar no rio Xingu, no Pará. A audiência aconteceu hoje (07/12) em Brasília e a principal questão tratada foi a licença para instalação de canteiros. O procurador da República Ubiratan Cazetta foi taxativo: “para o MPF, não existe licença fracionada para instalação, foi feito anteriormente nas hidrelétricas de Rondônia, mas é ilegal”.Leia mais em MPF

Araguaia: documentário registra apoio popular à Guerrilha


Osvaldo Bertolino
Fundação Maurício Grabois acaba de lançar o documentário “Camponeses do Araguaia - a Guerrilha vista por dentro”, que resgata a mais importante resistência armada ao regime militar. O filme traz depoimentos de pessoas que foram vítimas da truculência da ditadura e hoje lutam para que o Estado reconheça plenamente os crimes cometidos.Leia mais na Fundação Grabois

terça-feira, 7 de dezembro de 2010

Invasores de área onde viveu irmã Dorothy são obrigados a sair do local

Reintegração de posse de área no assentamento Esperança, em Anapu (PA), deverá ser cumprida nos próximos dias. A Justiça Federal do Pará deferiu, no último dia 4 de novembro, liminar ajuizada pela Procuradoria Federal Especializada junto ao Incra (PFE/Incra), determinando a desocupação da área destinada à reserva legal do Projeto de Desenvolvimento Sustentável (PDS) Anapu I, popularmente conhecido como Esperança, localizado no lote 55, Gleba Bacajá, a 687 km da capital. A área, que ficou internacionalmente conhecida devido ao assassinato da missionária norte-americana Dorothy Stang, é irregularmente ocupada por 22 famílias, que terão de se retirar do local no prazo de dez dias, a partir da notificação. Os ocupantes são acusados de derrubar a floresta em busca de madeira.Leia no Amazônia

Matança na Fazenda Rio Cristalino no sul do Pará, denuncia Frei Henri des Roziers

Frei Henri des Roziers, advogado da CPT em Xinguara (PA), denuncia a morte de 4 trabalhadores rurais, entre maio e outubro desse ano, e uma possível lista de outros que estão marcados para morrer.De maio a outubro de 2010, 04 trabalhadores rurais, cujos nomes constariam numa “lista” de marcados para morrer, foram  assassinados na área ainda não desapropriada da Fazenda Cristalino, ocupada por cerca de 600 famílias desde 2008. Leia mais no Amazônia

sexta-feira, 3 de dezembro de 2010

Batuques da infância



Perto de casa tem um terreiro. Sempre que há foguetório calculo que é dia de festa. Parece que hoje é dia de Santa Bárbara. O vento faz chegar o rufar dos tambores na casa em que passo algumas horas. Fica na fronteira de Belém com Ananindeua.

Os tambores do terreiro assanham as lembranças da cidade de São Luís. Os sons dos terreiros dos bairros da Camboa e Liberdade. Uma terra de preto. Inundada de sotaques de bumbas, tambor de crioula e blocos de carnaval. Além do ruído dos motores das embarcações.



Um cortejo cortou a rua onde fica a casa em que passo algumas horas. Todas as pessoas trajam branco. Desço e puxo prosa. Um caminhante informa do que se trata. Uma camionete carrega uma imagem. Alguém explica que é Santa Bárbara. Quero saber onde fica o centro. Após o jantar dei um pulo no espaço.

A área é grande. Ajeitada para o ritual. Parece que aglutina várias moradas. Um par de vira-latas descansa. A mesa é farta de comida. Jovens batucam para o entôo dos cantos. O mar de São Luís não parece tão distante. A casa é de mina. Assim explica o ente da mesma.

Não tenho a compreensão do assunto. Apenas fico encantado com a ancestralidade. Ali. Vizinha. Pertinho. E tão longe. Um mar que não tenho braçadas para vencer.
Fotos - M Quino

Belo Monte está violando direitos fundamentais dos povos indígenas, denunciam as lideranças indígenas do Xingu, Raoni Metuktire, Megaron Txukarramãe


Reunidos no III Encontro Latinoamericano de Ciências Sociais e Barragens que se iniciou no dia 30 de novembro de 2010 em Belém, as lideranças indígenas Kaiapó Raoni Metuktire e Megaron Txukarramãe, e as lideranças Arara, Josinei Arara e Juruna, Ozimar Juruna denunciam o atropelo com que o governo brasileiro vem tentando implementar as barragens de Belo Monte no rio Xingu e as continuas violações de seus direitos fundamentais ao longo desse processo. Leia mais no blog do Xingu Vivo

MPF processa Eletronorte por danos da usina de Tucuruí aos índios


Impactos foram reconhecidos pela própria empresa em 2006, mas até agora não concretizou nenhuma das medidas de compensação necessárias
O Ministério Público Federal em Marabá iniciou processo contra a Eletronorte para obrigar a empresa a compensar e mitigar os danos causados aos índios Assuriní com a construção da hidrelétrica de Tucuruí. A Terra Indígena Trocará, dos Assuriní, vem sofrendo desde então inúmeras invasões e outros impactos diretamente relacionado com a usina e com o aumento populacional decorrente do empreendimento. Leia mais no MPF

Amazônia - Grandes projetos em questão



Indígenas, movimentos sociais, pesquisadores de ponta e outros nem tanto assim estiveram em Belém entre os dias 30 de novembro a 03 de dezembro participando do III Encontro Latinoamericano de Ciências Sociais e Barragens. Papel do estado, disputa pelo território, mitos sobre a produção de energia a partir de hidrelétricas constaram na pauta.

Os debates foram viabilizados em rodadas de mesas a partir de temas centrais, trabalhos de grupo e conversas ao livre à beira do rio num aconchegante tapíri. Na tarde de ontem indígenas da região de Carajás organizados pelo cacique Paiare trocavam informações sobre o projeto da usina hidrelétrica de Marabá.

A região tem a maior hidrelétrica originalmente brasileira, a UHE de Tucuruí. Faz 26 anos que a hidrelétrica foi erguida no rio Tocantins, no sudeste do Pará. Alguns povos indígenas colecionam até os dias de hoje passivos sociais e ambientais do empreendimento que opera com a capacidade de 8 mil MW. E teve as eclusas inauguradas pelo presidente Lula nesta semana.  Assim o rio ficará navegável.      

A região, Tocantins Araguaia, se configura como um eixo de integração no planejamento do governo federal.  Além de cerca de 80 hidrelétricas entre grandes e pequenas, pretende-se a viabilização de transporte multi-modal (rodovia, hidrovia e ferrovia) para viabilizar a circulação de mercadorias, geração de energia e incremento das telecomunicações.  

Ajudam a agudizar a disputa pelo território e as riquezas lá existentes um pólo de soja e um pólo de produção de ferro gusa, que dinamizam uma cadeia de desastres ambientais e sociais que passam: destruição da floresta amazônica e do cerrado, assoreamento das nascentes e dos rios, poluição do ar, trabalho escravo, assassinatos de trabalhadores rurais, entre outros.

A assimetria entre as forças envolvidas, grandes corporações e comunidades consideradas tradicionais conforma a realidade. Entre as megas corporações de diferentes setores, temos: Vale, Alcoa, Cargil Suez-Tractebel e Camargo Correa. Interessadas em projetos de mineração, monoculturas e construção de barragens.  

A polêmica em torno das barragens



Edna Castro

por Ana Carolina Pimenta
foto Alexandre Moraes

A matriz energética brasileira se apoia bastante na hidroeletricidade, o que ocasiona represamento de rios de norte a sul do País.  As mais de duas mil barragens construídas geram energia e, também, muita polêmica.  Dados revelam que as enormes extensões de terras inundadas com as represas foram responsáveis pelo deslocamento de mais de um milhão de pessoas e pela destruição da fauna e flora daquelas áreas. Leia a íntegra na UFPA

Movimentos sociais indígenas participam do Encontro de Ciências Sociais e Barragens


 O terceiro dia do Encontro Latino-Americano de Ciências Sociais e Barragens, que acontece na Universidade Federal do Pará (UFPA), teve a participação de representantes de movimentos sociais indígenas da região do Xingu. Eles reafirmaram, durante o debate, a resistência contra a construção da Usina Hidrelétrica de Belo Monte. A polêmica em torno do empreendimento abriu a segunda mesa-redonda desta quinta-feira, 3, sob a temática “Territorialidades, conflitos sociais e demandas de movimentos sociais indígenas.” Leia mais na UFPA

terça-feira, 30 de novembro de 2010

Operação Ocara desmonta serrarias no entorno de terra indígena no Pará - 30/11/2010


O Ibama fechou e desmontou seis serrarias em Cumaru do Norte, Bannach e Pau D’Arco, no sul do Pará.  A ação aconteceu durante a operação Ocara, realizada em conjunto com a Polícia Federal e a Fundação Nacional do Índio (Funai) entre os dias 22 e 28/11. Leia mais em Amazônia

Carta das Mulheres em Defesa do Clima e da Amazônia

Documento resultante de roda de conversa no V FSPA rechaça as saídas como o Mecanismo de REDD, bolsas floresta, créditos de carbono e pede justiça em relação à imensa dívida climática dos grandes negócios para com as mulheres, povos indígenas, tradicionais e para com as comunidades urbanas e rurais contemporâneas e do passado.Leia mais em FSPA

Carta de Santarém aprovada no final do V FSPA

Um grande círculo, formado pelos participantes deste V Fórum Social Pan Amazônico, constitui a sua assembléia final, nesta segunda-feira, 29 de novembro, em Santarém, Pará. A grande roda revelava as inovações metodológicas no processo deste Pan Amazônico, onde foram exploradas diversas linguagens e expressões culturais da diversidade amazônica. E foi emocionante.Leia nais no site do Fórum

A renúncia: Jader se diz vítima de "campanha odiosa"


Mário Coelho
O deputado Jader Barbalho (PMDB-PA), que entregou a carta de renúncia ao mandato na manhã desta terça-feira (30) na Câmara, diz que tomou a decisão por ter se tornado um "cidadão híbrido" por conta da decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) em declará-lo inelegível com base na Lei da Ficha Limpa (Lei Complementar 135/10). Após um empate em cinco a cinco, os ministros da corte decidiram barrar a candidatura do peemedebista, que recebeu mais de 1,8 milhão de votos, número suficiente para se eleger para o Senado no Pará. A carta de renúncia será lida em plenário às 14h. Até lá, Jader pode desistir da renúncia.
 

segunda-feira, 29 de novembro de 2010

III Simpósio “Olhares sobre o Poético”: Encontro com a poesia em Max Martins

Com o tema “Encontro com a poesia em Max Martins”, a terceira edição do Simpósio “Olhares sobre o Poético” acontecerá no dia 2 de dezembro de 2010, das 8h30 às 18h, no Auditório Francisco Paulo Mendes do Instituto de Letras e Comunicação da UFPA. O evento contará com palestras, exibição de documentários, além de um sarau crítico-poético, com leitura e interpretação de poemas. Leia mais na UFPA

MPF pede à Justiça suspensão de atividades de mina da Vale no Pará

Empreendimento comprometeu 20% das terras de comunidade quilombola, mas famílias não foram recompensadas conforme previsto e a mineradora omitiu o fato na Justiça
O Ministério Público Federal (MPF) entrou na Justiça com ação em que pede a suspensão das atividades da mineradora da Vale na mina Miltônia 3, em Paragominas, no sudeste paraense, incluindo a linha de transmissão de energia e o minerotudo que transporta a bauxita até a refinaria da Alunorte em Barcarena, na região metropolitana de Belém. Leia mais no MPF

Carta de Marabá: divulgadas diretrizes para combater trabalho escravo

Participantes de seminário em Marabá definem articulação de estratégias preventivas e repressivas para aprimorar a luta contra o problema 
 
Foi divulgada nesta segunda-feira, 29 de novembro, a Carta de Marabá, que reúne propostas de instituições que participaram este mês de seminário sobre combate ao trabalho escravo realizado no município paraense onde se concentra o maior número de casos do problema. Entre as diretrizes para aprimorar o combate, foi debatida a necessidade de maior integração entre os órgãos fiscalizadores. Leia mais no MPF

Barragens- Belém sedia a partir de amanhã encontro Latino


Rogério Almeida - Rio Tocantins-Marabá/PA  
A partir de amanhã até o dia 03 de dezembro a Universidade Federal do Pará (UFPA) é a sede do III Encontro Latinoamericano de Ciências Sociais e Barragens. A conferência de abertura, Ciência, cientistas e democracia, ocorre a partir das 18h, no Centro de Convenções Benedito Nunes. Formam a mesa a professora Edna Castro/NAEA/UFPA, Henri Acserald/UFRJ, Gustavo Ribeiro/Unb e o argentino Juan Radovich.


No mundo de rios da Amazônia do Brasil pretende-se erguer um outro mundo, o do concreto, para geração de energia. Os planos do Governo Federal já realizaram isso no caudaloso rio Tocantins, e continuam a fazer. Assim, também agendam o mesmo rumo para o rio Xingu, o rio Tapajós, o rio Araguaia e o rio Madeira. Energia para quem?

Somente na bacia do Tocantins-Araguaia estimam-se em 80 os projetos entre grandes e pequenas hidrelétricas. Faz 26 anos que a UHE de Tucuruí foi erguida no rio Tocantins. É a maior originalmente nacional.

O projeto serve para alimentar com energia a Alcoa, empresas de produção de alumínio estadunidense, com sede em São Luís, Maranhão. E as empresas Albras e Alunorte, localizadas no município de Barcarena, no Pará. Até o começo do ano a Vale as controlava. O mega negócio da cadeia de produção do alumínio foi repassado para a norueguesa Norsk Hidro.

Os projetos de barramentos nos rios da Amazônia implicam uma disputa pelo território. Reordena o controle sobre as riquezas, redimensiona a configuração física, econômica e social onde os mesmos são implantados.

Implica em pressão sobre os territórios de indígenas, quilombolas, ribeirinhos e outras modalidades de populações consideradas tradicionais. Saiba mais sobre o evento que ocorre desde 2005 AQUI

Odair Borari

M. Quino
Nós não viemos para a natureza. Nós nascemos da natureza." Odair Borari em pronunciamento durante o V Fórum Pan-Amazônico, na mesa temática, Nossos Territórios São a Nossa Terra. O Fórum encerra  hoje em Santarém, Pará.

Borari lidera o movimento de defesa da vida e da cultura do Arapiuns, palco de conflitos entre indígenas e madeireiros no oeste do Pará. 


Usina de Tapajós será postergada

O processo de licitação da megausina hidrelétrica de São Luiz do Tapajós será atrasado em pelo menos um ano. O Plano Decenal de Energia de 2011, que está sendo finalizado pela Empresa de Pesquisa Energética (EPE), remanejou o projeto para entrada em operação das primeiras turbinas para o ano de 2017. O presidente da EPE, Maurício Tolmasquim, diz que grandes blocos de energia devem entrar nos anos anteriores, sem grande prejuízo do planejamento. Leia mais AQUI

Governo, empresas e ONGs querem transformar Marajó em reserva global

O arquipélago do Marajó tem área maior que Santa Catarina ou o Rio de Janeiro e paisagens belíssimas de rio e floresta. Por ali passam 25% da água doce do planeta e a região produz metade do açaí do mundo, que já foi vendido a R$ 18 o litro em Belém e enriquece empresas dentro e fora do país. Matéria do Valor postada no IHU

A implantação de barragens no Brasil e a violação dos direitos humanos. Entrevsita com Soniamara Maranho


Reunido em Campo Grande (MS), no dia 22/112010, o Conselho de Defesa dos Direitos da Pessoa Humana - CDDPH aprovou o relatório da Comissão Especial que analisou, durante 4 anos, denúncias de violações de direitos humanos no processo de implantação de barragens no Brasil.  O presidente do Conselho e Secretário Especial de Direitos Humanos, Paulo Vannuchi, parabenizou a Comissão e considerou seu trabalho “árduo e histórico”. Leia mais no IHU

domingo, 28 de novembro de 2010

Comunicação popular na prática é tema do último debate de sábado

Professores e sujeitos que trabalham com a mídia comunitária na prática encerraram os debates de sábado, 27 de novembro, penúltimo dia do 16º Curso do NPC. Foram apresentadas experiências em rádios comunitárias, jornais, revistas, cartilhas e páginas na internet, mostrando o amplo espaço que é preciso ocupar para a importante disputa de hegemonia tão discutida ao longo desses quatro dias. Leia mais no NPC

MST e UFPA promovem Semana Amazônica de Cultura Brasileira e Reforma Agrária

Entre os dias 29 de novembro e dois de dezembro, o MST e a Faculdade de Estudos de Linguagem da Universidade Federal do Pará (UFPA), realizam a Semana Amazônica de Cultura Brasileira e Reforma Agrária, no campus I, em Marabá. Leia mais em MST/PA

sábado, 27 de novembro de 2010

Cartoon do Bira


Tribunal Popular condena Complexo do Tapajós


Terminou agora a pouco o Tribunal Popular da Bacia do rio Tapajós que levou ao banco dos réus as cinco hidrelétricas previstas para os rios Tapajós e Jamanxim. A iniciativa é da Frente em Defesa da Amazônia e Núcleo de Assessoria Jurídica Popular da Ufopa. Leia mais no Língua Ferina

No ar, uma ferramenta de combate ao Complexo do Tapajós



Um poderoso instrumento da internet entrou em cena contra o Complexo Hidrelétrico do Tapajós. Trata-se de do sítio Tapajós Livre, coordenado pelo geólogo Juan Doblas.Leia mais no Língua Ferina

sexta-feira, 26 de novembro de 2010

Comunicação digital: uma das frentes da batalha hegemônica

16º Curso de Comunicação do NPC

 O jornalista argentino Martin Granovisk, do Pagina 12, deu continuidade às discussões da manhã de sexta-feira na mesa sobre ”comunicação digital e a batalha hegemônica”. Assim como na mesa da manhã, ele também defendeu os jornais alternativos impressos, atentando para a importância de se investir na qualidade dessas publicações para poder fazer um enfrentamento aos ataques veiculados pela mídia principalmente contra os governos que implementam políticas chamadas por Marco Aurelio Garcia como “pós-neoliberais”. Nesse grupo estão incluídos os governos Chávez, Kirchner, Pepe Mujica, Kirchner, Lugo e outros latino-americanos. O argentino lembrou que, ao mesmo tempo em que mídia atinge o máximo patamar histórico de sua concentração, enfrenta os fracassos das tiragens e da tentativa de liquidar processos de lutas populares na América Latina. Leia mais no NPC

V Fórum Pan-Amazônico concentra discussões em torno da questão ambiental


Tatiana Félix
 
Cerca de 5 mil pessoas, entre representantes de comunidades indígenas, ribeirinhos, afro-descendentes e dos países da região pan-amazônica, participaram ontem (25) do cortejo cultural que deu abertura à 5ª edição do Fórum Social Pan-Amazônico (FSPA), em Santarém, no Pará, no Norte do país. O evento segue até segunda-feira, 29. Leia mais na ADITAL

Maranhão realiza 4º Encontro de Rádios Comunitárias

Com o tema “Construindo a democracia na Comunicação”, será realizado nos dias 27 e 28 de novembro (sábado e domingo), no auditório do Sindicato dos Bancários, o 4º Congresso Estadual das Rádios Comunitárias do Maranhão. Leia mais no blog do Ed Wilson

Processo Seletivo diferenciado para indígenas lança edital

Pelo segundo ano consecutivo, a Universidade Federal do Pará promoverá a seleção diferenciada para o ingresso de povos indígenas no ensino superior. O edital foi publicado nesta quinta-feira, 25 de novembro, como aditivo ao documento que traz as regras do PS 2011 e está disponível no site do Centro de Processos Seletivos (clique aqui). Leia mais na UFPA

Grande Cortejo dá início ao V Fórum Social Pan-Amazônico

 Thiago Rodrigues 
O dia 25 de novembro de 2010 foi marcante não só para os santarenos, mas para toda a Pan-Amazônia, pois se iniciou o V Fórum Social Pan-Amazônico. Um evento de extrema importância para os sul-americanos que se reúnem em suas diversas ideias intimamente ligadas ao uso consciente dos recursos naturais da floresta e, consequentemente, o respeito dos povos que nela habitam. Matéria do site do Pan-Amazônico

Fiscalização promove libertações em terra grilada e garimpos

Flagrantes de mão de obra escrava se deram na divisa entre Pará e Mato Grosso. Em locais isolados, alguns passavam o dia no barro e exerciam atividades sem qualquer equipamento de proteção individual (EPI)
Por Bárbara Vidal
Três trabalhadores foram libertados de condição análoga à escravidão de uma área "grilada" que pertence ao poder público em Jacareacanga (PA), município que fica na divisa do Pará com o Mato Grosso. A alimentação era escassa, não havia água potável e nem alojamentos. Matéria do Repórter Brasil.

Petrobras anuncia descoberta de petróleo na Amazônia


A companhia petrolífera Petrobras anunciou nesta sexta-feira a descoberta de uma nova jazida de petróleo com capacidade para produzir 2,5 mil barris diários de óleo leve na Amazônia, onde a empresa já explora gás natural.Leia mais no Amazônia

Ruralistas e ambientalistas passam por renovação

Apesar de manterem a correlação de forças, as duas bancadas se veem fortalecidas no novo Congresso com a chegada de nomes de peso, como Blairo Maggi e Alfredo Sirkis. De saída, Marina Silva é considerada a maior perda
Elza Fiúza/ABr
Novo Congresso: ambientalistas perdem Marina Silva, mas ganham Alfredo Sirkis
Renata Camargo
Parte a senadora Marina Silva (PV-AC), chega o deputado Alfredo Sirkis (PV-RJ). Sai o deputado Valdir Colatto (PMDB-SC), entra o senador Blairo Maggi (PR-MT). Sem mudar significativamente de tamanho, as bancadas dos ambientalistas e dos ruralistas no Congresso pretendem superar a perda de alguns de seus principais representantes com a chegada de outros nomes de peso no início da próxima legislatura.Leia a íntegra no Congresso em Foco

Thales Ribeiro de Andrade: outro juiz execrável no Maranhão


E-mail Imprimir
Ontem, o juiz da cidade maranhense de Dom Pedro, Thales Ribeiro de Andrade, extrapolou. Ele está enrolado em denúncias de agiotagem, conluio com a prefeita da cidade (Arlene Costa, do PDT), perseguição a sindicalistas e desvio de conduta no exercício da função. Por tudo isto e mais alguma coisa, a sociedade civil de Dom Pedro vai denunciá-lo para o Conselho Nacional de Justiça e, organizou ontem, uma manifestação pública contra ele.Leia mais em Vias de Fato

Manoel da Conceição, um homem imprescindível

Nascido em 1935, no lugarejo conhecido por Pedra Grande, município de Pirapemas, Estado do Maranhão, aprendeu ainda quando criança, com seu pai, as atividades de trabalhador rural e de ferreiro. Sua trajetória política começa quando sua família é expulsa das terras - herdadas dos avós - por proprietários fundiários que exploravam os trabalhadores através do mecanismo da renda da terra. Seu grupo familiar enfrentou situações de conflito por terra em vários lugares até se estabelecer, em 1962, no Vale do Pindaré.Leia mais AQUI

A mídia alternativa. Entrevista especial com Ermanno Allegri

Ermanno Allegri esteve no IHU para participar de uma reunião onde foi discutida divulgação do Congresso Continental de Teologia que será realizado em 2012 na Unisinos. A IHU On-Line aproveitou a presença do diretor executivo da Adital para falar sobre o Congresso e sobre a comunicação alternativa no Brasil. “Dentro do quadro da comunicação no Brasil, o alternativo está adquirindo uma força muito grande nos últimos anos. Tanto é verdade que, no fim do ano passado, conseguimos trabalhar e pressionar para que ocorresse a Conferência Nacional de Comunicação”, apontou.Leia a íntegra AQUI

ONG apresenta Relatório de Crimes Ambientais da Suzano em Urbano Santos/MA


A Ong  Entrerrios  apresenta os danos ambientais da ACM e JS empresas terceirizadas pela Suzano no Baixo Parnaíba Maranhense
As mudanças ocasionadas no ambiente da zona rural do município de Urbano Santos – MA, com efeitos da ação antrópica refletem em alterações significativas no equilíbrio dos sistemas naturais e no modo de vida das comunidades, principalmente no decorrer dos últimos anos com o aumento da exploração da monocultura do eucalipto, onde intensificaram-se os impactos oriundos da interferência humana na paisagem natural e consequentemente na alteração do cotidiano das comunidades circunvizinhas. Leia a íntegra no Ecodebate

UHE de Estreito: MPF/TO propõe ação contra Ceste e Ibama por não cumprimento de ações mitigadoras a impactados


Assentados do PA Formosa e da Ilha de São José foram forçados a deixar suas localidades antes da conclusão dos reassentamentos. Apesar das evidências de irregularidades e recomendação para aplicar multa, órgão ambiental alega não haver infrações administrativas por parte do consórcio
O Ministério Público Federal no Tocantins propôs à Justiça Federal ação de improbidade administrativa contra o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) e o Consórcio Estreito Energia S/A (Ceste), responsável pela construção da usina hidrelétrica de Estreito. Segundo a ação, durante a execução do empreendimento o Ceste deu prioridade às obras físicas, deixando de cumprir suas obrigações socioambientais. Leia mais no Ecodebate

quarta-feira, 24 de novembro de 2010

Vale deve fechar refinaria no Canadá e demitir 500 operários



Sindicato United Steelworkers responde a anúncio da Vale – Comunicado à imprensa

O que se segue é um comunicado à imprensa do sindicato United Steelworkers (USW), em resposta à divulgação de um investimento, feita pela Vale.

TORONTO, 17 de novembro de 2010 – O mais recente anúncio de um “investimento” da Vale dá seguimento a uma campanha de relações públicas mais preocupada com a imagem da empresa que com trazer benefícios reais às comunidades canadenses.

“O anúncio de hoje da Vale é talvez o exercício de relações públicas mais cínico até hoje visto por parte desta empresa estrangeira,” disse Ken Neumann, Diretor Nacional do USW para o Canadá. “Enquanto alega honrar seus compromissos nos termos da Lei de Investimentos no Canadá, a Vale decide fechar as operações de refino e fundição em Thompson, província de Manitoba,” disse Neumann.

“Este fechamento eliminará um componente crucial de agregação de valor na mineração em Thompson, levando à potencial perda de 500 postos de trabalho, o que terá um efeito devastador para a comunidade.”

“Isto demonstra claramente a falta de compromisso da Vale com Manitoba. Ao invés de investir em suas operações de Thompson, a Vale opta por cortar 40% de sua força de trabalho e causar mais desestruturação às famílias trabalhadoras canadenses.”

“Esta decisão dá continuidade ao histórico desastroso da Vale, desde que ela teve permissão para adquirir a Inco Ltd. quatro anos atrás,” Neumann acrescentou. “A Vale já lucrou bilhões em nosso país, no processo eliminando centenas de empregos e causando sofrimento a comunidades canadenses.”

“A máquina de propaganda da Vale trabalha dobrado para tirar o foco das atenções de sua ofensiva contra os empregos e condições de trabalho canadenses, e dos conflitos trabalhistas causados por ela em andamento em nossas comunidades.”

“Em Voisey’s Bay, por exemplo, a Vale continua a usar fura-greves, numa disputa que já está em seu 16º mês. Pelo jeito, o compromisso da Vale com o Canadá não inclui estender aos seus trabalhadores na província de Newfoundland and Labrador — muitos deles indígenas — o mesmo acordo coletivo que negociou com seus trabalhadores na província de Ontario.”

Segundo o USW, o investimento de CA$ 10 bilhões anunciado hoje pela Vale merece ser examinado mais detidamente.

O sindicato observou que a maior parte do que foi anunciado pela Vale consiste de uma combinação de investimentos que foram impostos à empresa pelo governo e de investimentos especulativos que talvez nunca ocorram. Quando todos estes dispêndios são retirados da equação, o compromisso real da Vale de fazer novos investimentos voluntários no Canadá nos próximos cinco anos torna-se bem menor que o divulgado.

A propaganda da Vale indica que boa parte do investimento anunciado para o Canadá — pelo menos CA$ 4 bilhões — ainda não foi aprovada e, portanto, talvez não se materialize. Isto inclui a especulação em torno de uma mina de potassa na província de Saskatchewan que a Vale alega poderá custar CA$ 3 bilhões, e uma mina na província de Manitoba, que segundo a Vale poderá custar CA$ 1 bilhão.

Na realidade, o grosso do investimento que a Vale se comprometeu a fazer no Canadá consiste de dispêndios ordenados pelo governo, e não investimentos feitos por vontade própria da empresa em suas operações canadenses.

O custo de CA$ 3 bilhões associado com as novas unidades de Long Harbour, província de Newfoundland and Labrador, surgiu porque a governo provincial insistiu que as unidades fossem construídas na província. Na verdade, este requisito antecede a Vale, pois foi imposto à Inco Ltd. em troca do direito de explorar a rica jazida mineral de Voisey’s Bay.

Além disso, o investimento de entre CA$ 1,5 e CA$ 2 bilhões para melhorar os padrões ambientais nas operações da Vale em Sudbury foi determinado pelo governo provincial de Ontario, e não corresponde a melhorias voluntariamente propostas pela Vale. Na realidade, após a província ter ordenado o aperfeiçoamento ambiental, a Vale pressionou por uma extensão de cinco anos ao prazo para se adequar aos novos padrões.

As práticas ambientais da Vale resultaram numa interpelação judicial em Newfoundland and Labrador, onde a empresa planeja despejar resíduos tóxicos num lago ainda intocado, ao invés de investir num método mais custoso de gestão de resíduos.

Fonte:Jornal Sudbury Star | Noticiário Local

100 anos da Revolução Mexicana

Há cem anos teria início um dos processos revolucionários mais importantes da América Latina. A Revolução Mexicana tem sido alvo de inúmeros mitos e estigmas, em geral associados à própria imagem do país, aos seus costumes e à luta de seu povo por liberdade e justiça. Muitos se lembrarão dos desenhos animados, geralmente estadunidenses, o­nde aparecem caricatos mexicanos, com ar de bandoleiros, bandidos exploradores ou arruaceiros. Quem não se lembra do Ligeirinho, do Panchito ou do burrico Babalu? Quantas vezes vemos nos diversos meios de comunicação referências debochadas aos cantores populares — os mariachis — ou mesmo algum tipo de ridicularização de outro costume mexicano, como às tortillas ou ao sombreiro? Ao fim temos uma equivocada impressão sobre a cultura mexicana, impressão que na maioria das vezes se estende a História de luta do povo mexicano.Leia mais em kaos

Para salvas as florestas

Henrique Rattner
A taxa de desmatamento no Brasil diminuiu significativamente: 2,8 milhões de hectares da floresta amazônica foram queimados em 2004. No ano passado, foram somente 750 mil hectares. Na década passada, segundo relatório das Nações Unidas, quase oito milhões de hectares foram reflorestados, sobretudo nos países ricos como os da América do Norte e a Europa, onde a diminuição da população rural reduziu as pressões sobre as terras cobertas por florestas. Leia mais em Outras Palavras

Mulheres são destaque no V Fórum Social Pan Amazônico

“As mulheres são como as águas... crescem quando se encontram.” 

  O famoso encontro das águas em Santarém, reunindo os Rios Amazonas e Tapajós, deu o mote para o movimento de mulheres da Amazônia brasileira marcar sua participação na abertura do V FSPA. Um grande cortejo cultural, que deverá terminar na orla do Rio Tapajós, no centro da cidade estará sendo preparado e estima-se a presença de mais de cinco mil pessoas, vindas principalmente dos oito países que compõe atualmente a Pan-Amazônia. Leia mais no site do Pan-Amazônico

terça-feira, 23 de novembro de 2010

PF do dia

M. Quino

AL do Maranhão realiza audiência para debater risco de demissão em massa em pólo de gusa


Os caciques da mineração estão reunidos em Belém para festejar o que chamam de “sustentabilidade”.

No oeste do Maranhão, no município de Açailândia, que abriga uma parte do pólo de gusa de Carajás, a Assembléia Legislativa realiza uma audiência pública para debater o risco de demissão em massa.

Entre os convidados, representante da Vale. Será que comparecerá?   Leia mais no blog de Moura

segunda-feira, 22 de novembro de 2010

Jornal Ex-: a imprensa de vanguarda nos anos 70

O lançamento ocorreu no mês passado. Mas, vale  o registro pela relevância histórica.
A edição comemorativa é um trabalho conjunto da Imprensa Oficial do Estado de São Paulo com o Instituto Vladimir Herzog, que reúne 20 exemplares em fac-símile da publicação, as 16 edições que foram exibidas em bancas e uma especial inédita que à época foi censurada e não pôde circular.Leia a matéria de José Reinaldo Marques na ABI

O Pará na Rolling Stone

Greenpeace

Não se trata de pauta de alguma inovação musical que mescle sonoridades locais com recursos eletrônicos. O tema reside numa situação antiga: a disputa pelo território e os recursos lá existentes.

A situação em foco é a gleba de Nova Olinda, no oeste do estado.  A matéria é assinada pelo jornalista Felipe Milanez. É a segunda incursão da publicação sobre as situações e conflito no Pará.

A matéria em questão foi publicada na edição derradeira, a que tem o ator Wagner Moura na capa. A reportagem as situações de tensão na disputa pela madeira na região do rio Arapiuns, que coloca em oposição comunidades consideradas tradicionais e madeireiros.  

Leia a matéria AQUI